<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

7 fevereiro 2012

Guias

O peregrino Joshua chegou à pensão do vilarejo de Bela Vista ao entardecer, e aquela era uma noite quente como há muito não experimentava. Mas, tal fato não lhe incomodou, pois se encontrava satisfeito em retomar sua peregrinação e o contato com as pessoas.

Após o jantar, sentou-se em uma cadeira na varanda, esperançoso de que o vento noturno trouxesse frescor. Olhou as estrelas, a lua com brilhante halo a sua volta, mas brisa alguma veio brincar com seus cabelos. Ao seu lado, inquilinos da pensão conversavam, o que chamou sua atenção:

– …Nunca pensei em ter filhos. Não mesmo. Na verdade, nem pretendo. Mas… Sabe que na semana passada meu irmão me convidou para apadrinhar sua filhinha. Tô aqui pensando se aceito ou não…

O homem gordo enxugou suor da testa:

– Que bobagem! A filha não é sua! Por que se preocupar? O que tem a ver ser ou não padrinho? – E meneou a cabeça. – Tô certo ou tô errado, peregrino?

Joshua se levantou e escorou ambas as mãos sobre a bengala:

– Meu amigo, não sei se está certo ou errado. O que sei é que, neste mundo, nascemos, crescemos, reproduzimos, morremos…

– Pois é!

– Parece simples, não é mesmo? Mas, e o que devemos fazer com o tempo que nos foi dado? E, mais: onde terminaríamos nossos dias sem aqueles que nos guiam? O que faremos de nossa passagem por este mundo?

O outro homem concordava acenando com a cabeça:

– Boas perguntas.

– Não somos animais irracionais vagando em busca de alimento e água. Somos mais do que isso, e muitas vezes precisamos de auxílio para encontrar nossa posição neste mundo…

O homem gordo cruzou os braços:

– O que o senhor quer dizer com isso?

Joshua deu um passo na direção dos homens:

– Que pais, avós e padrinhos nos auxiliam a encontrarmos nosso caminho na vida. E é por isso que assumir a responsabilidade de apadrinhar um ser vivo não é algo simples. Significa destinarmos amor, compreensão, orientação. E, se o destino assim quiser e seus pais faltarem, tomarmos o afilhado como filho.

O outro homem gesticulava:

– É bem isso que eu penso!

Joshua deu mais um passo na direção dos homens:

– Ser padrinho é nos encontrarmos disponíveis. Vai muito além de comprar presentes, pois é afagar em um momento de choro, acompanhar ao circo, preocupar-se com seu bem-estar. É nos doarmos.

O homem gordo descruzou os braços:

– Agora tô entendendo…

– Meus amigos, grande é o passo na direção do fortalecimento de quem somos ao aceitarmos tal posição. Erigir o caráter de alguém, apontar o caminho certo a seguir e carregá-lo no colo se necessário é uma grande responsabilidade.

O outro homem olhou para Joshua:

– Se é! Mas, então, o que eu faço?

– Meu amigo, é legítima a sua dúvida. Mas, tranquilize-se. Todos possuímos coisas boas a demonstrar, conhecimentos a passar, amor a distribuir. O amigo não pretende possuir filhos? – e o homem meneou a cabeça, negativamente. Joshua colocou a mão em seu ombro, olhando em seus olhos: – Então, pergunto: o que o amigo possui de tão mais importante e urgente a fazer em seus dias, que não possa destinar um pouco do seu tempo, amor e atenção à filha do seu irmão?

 

*Essa coluna dedico aos meus afilhados Mariano e Antônia.

"12" comentários em: Guias

  1. Rafael - 11 de abril de 2014

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Lindo texto,meu amigo Rafael!

    • Rafael - 11 de abril de 2014

      Bjo Heloiza!

  2. delci mantelli - 11 de abril de 2014

    texto para refletir,pois nos tempos atuais ja se perdeu um pouco do significado PADRINHOS,pois acho que é uma pena…texto perfeito!!!!!me fez recordar dos meus queridos padrinhos que agora vivem em outra dimensao.Parabens Rafael pelo texto,ja aguardado o proximo episodio de Joshua……

    • Rafael - 11 de abril de 2014

      Bjão minha querida Delci. Eu tive e tenho padrinhos que me dão muita atenção, e por isso sempre levei muito a sério essa posição. Bjão!

  3. Rafael - 11 de abril de 2014

    Via FACEBOOK
    Norton Campos
    Showwwwwwwww,meu queridoooooo,baita abraco

  4. Rafael - 14 de março de 2012

    Via Facebook
    Adriana Lenz ‎
    Rafael Lovato! Texto muito lindo! Agradecemos de coração a homenagem e salientamos que não é por acaso que serão os padrinhos da Antônia. Sabem realmente o sentido de “apadrinhar” e fazem por merecer! Abraços!
    Rafael Lovato: Bjão minha cunhada querida!

  5. Rafael - 11 de março de 2012

    Via Facebook
    José Barbosa
    Somos mais do que isso? É possível ser? A literatura e a arte como um todo nos prova que não. Estamos em busca de projetar novos universos, reinventar os paradigmas da vida. Ser criativo está exatamente nesse nível de proporção do além-mundo…é inevitável que não esteja. A índole criativa nos torna verdadeiros sabotadores da natureza, estamos nadando contra a corrente da vida que nos empurra para um ciclo de nascimento, reprodução e morte. Estamos criando dentro da criação…tomando como matéria-prima o casulo e dando-lhe sentidos inimagináveis. Nós estamos traindo o sentido reprodutor da vida!

  6. Rafael - 11 de março de 2012

    Via Facebook
    Rosiane Ceolin
    Cada dia melhor… já estou curiosa para ler mais rsrsrrs.
    Rafael Lovato: Bjão, Rosiane!

  7. Rafael - 11 de março de 2012

    Via Facebook
    Marisa Lopes Parra
    Conferi e gostei. Texto e tema muito bons. Parabéns!
    Rafael Lovato: 🙂 !!

  8. Rafael - 11 de março de 2012

    Via Facebook
    Sulamita Ferreira Teixeira
    Belíssimo texto Rafael! Gostei!
    Rafael Lovato: Valeu, minha querida Sulamita!

  9. Rafael - 11 de março de 2012

    Via Facebook
    Neuza Rodrigues Ferreira
    Gostei do seu texto Rafael Lovato,muito bom falar de responsabilidade ,melhor quando assumimos.
    Rafael Lovato: Valeu, Neuza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *