<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

7 fevereiro 2012

O natal e seu espírito

  

O final de ano chegava e Joshua imediatamente percebia a mudança na atmosfera que envolvia as localidades por onde passava.

“Alegria, tranquilidade… Todos ocupados em enfeitar suas casas. Organizar a ceia de Natal. Escolher presentes. Gosto dessa época. Há cheiro no ar de que há esperança na vitória do bem e da harmonia entre os homens.”

Aproveitava a difusa luz da tardinha sentado num dos bancos da praça da cidadela.

Não cansava de admirar a beleza colorida das luzes que enfeitavam árvores. Bandeirolas. Crianças sorrindo com a idéia de ganhar presentes. Adultos se permitindo rápida volta aos dias de adolescência.

Sem demora um homem velho sentou-se ao seu lado.

Joshua nada falou, absorto com as luzes e o movimento da cidade.

– Que grande besteira essa história de Natal! – finalmente o homem comentou, gesticulando e apontando sua bengala para um grupo de pessoas. Prosseguiu: – Presentinhos, reunir família, cantar… Comemorar o quê? – pigarreou – Sequer sabem o que a data significa! Os problemas acabaram? Claro que não! Então por que a alegria? Que grande bobagem, o senhor não acha? – e pigarreou novamente.

– Talvez, meu bom amigo – respondeu Joshua que olhou para o homem e sorriu. – É possível que muitas pessoas realmente não saibam se nessa data nasceu Jesus Cristo… Ou se nela Ele morreu ou ressuscitou. Muitos nem mesmo pensam sobre o assunto… Outros tantos sequer são religiosos… Mas isso é o mais importante?

– Claro! E esse é o problema! Natal é uma comemoração religiosa. Nessa data tão importante, não louvar o Salvador é heresia! Melhor não festejar – e bateu a bengala no chão, colocando ponto final na sentença.

– Gosto de pensar que o mais importante é festejar – redarguiu Joshua com fala branda, ajeitando-se no banco. – Alegria, confraternização, amizade. Independente do motivo. Certamente o Messias objetivou entregar paz, entendimento, solidariedade, amor…

– Amém – balbuciou o velho homem.

– O amigo há de concordar que Ele preocupava-se com que os homens disseminassem Seus ensinamentos. Que neles encontrassem esteio no dia a dia. Nas lidas árduas. Nas provações…

– É o Salvador! Isso mesmo – e o velho homem pareceu acalmar.

Joshua silenciou por momentos. Olhou novamente as luzes cintilando.

– Seu espírito permanece entre nós – prosseguiu Joshua –, homens livres e de bons costumes. Natal é somente pequena desculpa que muitas pessoas precisam para baixarem defesas. Aceitarem seus amores. Demonstrarem carinho. É momento que permitem aflorar sentimentos de irmandade, amor, compaixão…

– Hmm – o velho homem grunhiu, aquiescendo com leve movimento de cabeça.

– Presentearmos alguém é lembrar Cristo, Buda, Maomé. Pois eles nos ensinaram a amar o próximo. É semente de um amanhã melhor. É perpetuação do espírito dos Messias, daquilo que eles realmente significam para os homens. Não importa o porquê de sorrirmos ou o motivo de amarmos. Basta sentirmos, para nosso dia colorir. Para caridade surtir seu efeito é suficiente agirmos. Independente do motivo. E assim para mim é o natal. O mais importante não é o que ele é. E sim o que causa nos homens. E o que perpetua – e Joshua silenciou.

O velho homem olhou firme nos seus olhos.

E sorriu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *