<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

16 fevereiro 2012

Saudades

 

Ao quente sol da meia-tarde, o peregrino Joshua caminhava em poeirenta estrada e observava a paisagem, lindos campos dourados. Pensou que o calor parecia desacelerar o mundo, e que mesmo o tempo se arrastava.

Quando se aproximava de uma propriedade à beira da estrada, avistou uma moça sentada na grama do jardim, abraçada aos joelhos e cabisbaixa. E ela chorava, desesperada. Joshua sabia que aquele era um momento tão bom quanto qualquer outro para descansar, e se aproximou, devagar. Sentou ao lado da moça, respeitando certa distância, e permaneceu em silêncio.

Momentos passaram, quando, ainda soluçando, a moça falou:

– Como é difícil lidar com a saudade, não é mesmo?

– De tempos em tempos ela é atroz.

– Quero esquecer tudo… Esquecer! O melhor seria morrer!

Joshua se virou para a moça:

– Desistir sempre é uma opção tentadora, não é mesmo? Mas, não ceda. Quando jovens, o amor nos parece eterno. E, assim, a saudade. E classificamos tudo no superlativo: o amor da nossa vida, a dor insuportável, o melhor amigo, o presente perfeito.

A moça enxugou lágrimas:

– É verdade…

– No entanto, nem mesmo as estrelas são eternas, e absolutamente tudo o que experimentamos em nossas vidas tem fim. Inclusive a vida em si. E sobre esse sentimento angustiante de perda penso que, para abrandá-lo, o melhor a fazermos é aproveitá-lo.

A moça encarou Joshua

– Ã? O senhor enlouqueceu? Aproveitar a saudade?

Joshua ajeitou a bengala entre os joelhos:

– Exato! Penso que o melhor é, ao invés de lutar contra ela, aproveitar as boas memórias que traz consigo.

– Como assim?

– Minha amiga, sentir muita falta de algo significa que foi bom. E isso é motivo de alegria. Sorria para sua saudade, e se liberte do passado. Não espere que as águas que ontem dançaram no riacho reapareçam hoje novamente. Volte à beira do rio, mas aproveite as novas águas. Nessa vida, todos somos saudosos de algo ou alguém. Ou mesmo de um tempo passado. Inclusive as águas que ontem lhe banharam, garanto-lhe, de alguma maneira elas também sentem saudades de banha-la uma vez mais.

A moça esboçou leve sorriso e suspirou. Joshua prosseguiu:

– Nessa minha longa passagem por esse mundo, aprendi que quando lembranças saudosas assaltam meus pensamentos, devo relembra-las como boas e alegres. E, assim, sinto-me bem. De outro lado, em perdas recentes é difícil nos desvencilharmos do querer, da vontade de ter novamente. E é principalmente nesses momentos que reforço que tudo é passageiro, que outros ventos soprarão trazendo novos ares e motivos para se ter alegres saudades.

– Entendi.

– Minha amiga, sinta saudade. Mas, não se martirize ou flagele, e, sim, alegre-se. E é por isso que minha verdade lhe digo: lembrar daquilo que partiu e sorrir pelo bem que lhe fez enquanto presente é demonstrar ao mundo que valeu a pena ser vivenciado.

 

"15" comentários em: Saudades

  1. Rafael - 22 de fevereiro de 2014

    Via FACEBOOK
    John Williams B
    desistir nunca! Joshua é dos meus conselheiros preferidos Rafael Lovato…

    • Rafael - 22 de fevereiro de 2014

      Que bom ouvir isso meu amigo JOhn

  2. Rafael - 22 de fevereiro de 2014

    Via FACEBOOK
    Ines Hoffmann
    adorei!

  3. Rafael - 22 de fevereiro de 2014

    Via FACEBOOK
    Bica Stein
    Lindo , bem assim nem as estrelas são eternas !

    • Rafael - 22 de fevereiro de 2014

      Bjão minha querida Bica!

  4. Rafael - 22 de fevereiro de 2014

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Que lindo texto,muito verdadeiro!

    • Rafael - 22 de fevereiro de 2014

      Bjo minha querida Heloiza!

  5. Rosa Maria Lovato - 21 de fevereiro de 2014

    A tua avó Odila diz que entende bem este teu texto: “Te parabeniza pelos teus escritos tão bonitos e profundos. Sempre te acompanha e cada vez mais se experimenta sentindo, revivendo emoções e aproveitando as lições de como levar a vida de maneira melhor”.
    Dos seus quase 93 anos, toda semana me pede para ler a coluna e sempre adora. Acho que isto também é motivo de alegria e incentivo. Nada tenho a acrescentar, no momento, ao que falou minha mãe. Beijo, com muito amor, meu filho.

    • Rafael - 21 de fevereiro de 2014

      Obrigado mamãe. Amo vocês duas.

  6. Rafael - 21 de fevereiro de 2014

    Via FACEBOOK
    Elis Cristina Castro Pfingstag
    Perfeito, vamos aproveitar a saudade e as boas memórias que ela traz consigo. Lembrar daquilo que partiu e sorrir pelo bem que lhe fez enquanto presente é demonstrar ao mundo que valeu a pena ser vivenciado.

    • Rafael - 21 de fevereiro de 2014

      Bjão Elis!

  7. Rafael - 26 de fevereiro de 2012

    Fiquei tão comovido com o depoimento no Facebook que disponibilizo aqui no site.

    Cristiane Teixeira Porto
    Gosto muito da sua coluna no jornal Folha do Mate, me emocinei em um dos espisódios quando Joshua explica sobre a saudade, aquelas palavras me acalentaram.(perdi meu pai dia 10 de dezembro de 2010), obrigada !!

  8. Helga - 20 de fevereiro de 2012

    Bela homenagem!! Aproveito para reverenciar todos os bons momentos de saudades que temos em comum!! Beijos e muito carinho!

    • Rafael - 23 de fevereiro de 2012

      🙂 Beijão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *