<strong>Contos</strong>

Contos

Além de ser romancista, R. Lovato foi um dos premiados no Panorama 2010/2011 da FC do B com o conto Nulla in mundo pax sincera, publicado em dez/2011.

Também foi premiado com o conto A moeda humana do Banco Central no concurso Nossos Valores na I Semana Organizacional do Banco Central do Brasil.

A lua em mim – poema

*Poema insólito.

Era eu naquela estrada, à meia noite.

Carrego a morte em meu colo,

Não sei por que você parou,

Era o que eu queria que fizesse.

 

Sou o pesadelo que se esconde nas madrugadas,

A escuridão por trás dos faróis,

E normalmente não sabem o que sou,

E era eu naquela estrada.

 

Você não conseguia me ver,

A armadilha do saber é essa:

A sede, o encanto, o desconhecido,

A indescritível atração pelo incerto.

 

Era eu naquela estrada,

Iluminada pela lua que seguia alta, cheia,

E você parou, e desceu de seu carro.

E a lua sorriu para mim.

 

O luar inunda minhas veias,

Sempre carrega uivos em sua claridade.

E, então, eu sou a morte, e você parou.

Só o que vejo é a fome e o desejo.

 

Era eu naquela estrada,

E, então, você conseguiu me ver.

Sentir.

A lua em mim.

"16" comentários em: A lua em mim – poema

  1. Rafael - 14 de setembro de 2012

    Via FACEBOOK
    Alfredo Silva
    Muito Bom. Abraço…..

    • Rafael - 14 de setembro de 2012

      Valeu, meu amigo Alfredo

  2. Rafael - 7 de setembro de 2012

    Via FACEBOOK
    Rita Melo Rabelo
    BONITOOOO,BEIJINHOS

  3. virgulino - 16 de julho de 2012

    autos massa esse poema nem minha tia sabe fazer kkkkkkk

  4. camilly e ana laura - 11 de maio de 2012

    parabens amei ler o poema

    • Rafael - 11 de maio de 2012

      Que bom, minhas queridas Camilly e Ana Laura. Bjão para vocês!

  5. camilly e ana laura - 11 de maio de 2012

    eu a chei muito interessante e ameeeeeei a ler

  6. Rosa Maria Lovato - 25 de abril de 2012

    … sou o pesadelo que se esconde nas madrugadas, a escuridão por trás dos faróis, e normalmente não sabem o que sou, e era eu naquela estrada …

    Esta parte foi a que mais me encantou. Adorei o poema!
    O desconhecido sempre apresenta dificuldades, mas ao mesmo tempo, curiosidade que transpõe qualquer obstáculo apresentado!
    E curiosidade sempre foi combustível para tua vida!
    Boa semana! Beijos, meu filho!

    • Rafael - 25 de abril de 2012

      Bjos mamãe!

  7. Rafael - 24 de abril de 2012

    Via Facebook
    Yara Neiss
    Parabens Rafael Lovato!
    Rafael Lovato: 🙂

  8. Rafael - 24 de abril de 2012

    Via Facebook
    Clarissa Bulow
    Muito lindo!
    Rafael Lovato: Que bom que gostou, bjos minha querida.

  9. Rafael - 24 de abril de 2012

    Via Facebook
    Manuela Reis
    Você não conseguia me ver,
    A armadilha do saber é essa:
    A sede, o encanto, o desconhecido,
    A indescritível atração pelo incerto….Era eu naquela estrada!!!……
    A capacidade de nos encantar com o abstracto, com o desconhecido, com tanta subtileza, elegância e encantamento….não importa se de lobo ou lobisomen trata a poesia, é realmente talento só seu meu amigo.Parabéns Rafael Lovato! Bjos amigo
    Rafael Lovato: Obrigado Manuela, bjão minha querida.

  10. Rafael - 24 de abril de 2012

    Via Facebook
    Sidenei Souza
    Nossa Rafael Lovato, me senti um lobisomen lendo sua poesia…rsrs, muito boa, parabéns!
    Rafael Lovato: Hehe cuidado com a lua, meu amigo Sidenei!

  11. Rafael - 24 de abril de 2012

    Via Facebook
    Rosiane Ceolin
    Era eu naquela estrada,
    E, então, você conseguiu me ver.
    Sentir.
    A lua em mim.
    Perfeito, adorei.
    Rafael Lovato: Bjão minha querida Rosiane.

  12. Rafael - 21 de abril de 2012

    Via Facebook
    Maria de Lourdes
    Bjs. Gosto de ler o que vc escreve. Bom final de semana. Lurdinha.
    Rafael Lovato: Que bom ouvir isso, minha querida Maria. Bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *