<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

5 outubro 2012

O choro e o pedido de desculpas

Naquele início de tarde, o peregrino Joshua ainda se encontrava em Feliz da Serra, aproveitando o calor primaveril. Andava pela pracinha do centro do povoado, quando observou um homem de mão dada com um garotinho, que, súbito, deixou cair seu sorvete ao chão, começando a chorar.

O Homem olhou sério para o garoto.

– O que já lhe falei? Homens não choram.

Aquela frase ecoou dentro da cabeça de Joshua, que se aproximou de ambos sem nada falar. Ao chegar perto, o homem olhou para Joshua.

– É ou não é verdade, vovô? Homens não choram.

Joshua escorou ambas as mãos sobre a bengala.

– Meu amigo, penso que o melhor seria dizer que muitos adultos não se dão ao direito de chorar. Mas, crianças choram, a toda hora e por qualquer razão, independente de seu sexo.

O homem colocou asmas as mãos na cintura.

– E eu não sei? Mas, homens feitos não choram.

Joshua olhou para o homem.

– E por que será? O que mudou, neles, com o passar dos anos? Será que com o andar do tempo, perderam a vontade, ou simplesmente deixaram de ser autênticos? Será que essas crianças de outrora não mais possuem motivos para derramarem lágrimas, ou criaram enorme muralha de defesa em torno de si mesmas, não mais se autorizando externar seus sentimentos?

O homem coçou a cabeça.

– Sabe que agora o senhor me pegou.

Joshua olhou para o garotinho.

– Muitos adultos pensam que o choro é sinal de fraqueza, não é mesmo? Mas, eu penso que é demonstração de coragem – e Joshua voltou a olhar para o homem. – Muitos diriam que isso é “coisa de mulher”. Já, eu, penso que é coisa de humanos. Há pessoas que não choram, e então reprimem seus sentimentos e vivem suas vidas escondidas atrás de máscaras. Há outros que choram, e vivem felizes e de bem consigo mesmos. E, assim como muitos não choram, também não pedem desculpas, e são coisas bem parecidas…

O homem pegou a mão do garoto.

 – Como assim?

– Um pedido de desculpas é o reconhecimento de um equívoco próprio. Assim como chorar, é algo que fazemos por nós mesmos, não pelos outros. Ambos externam sentimentos íntimos, como o arrependimento, indignação, desespero, ou mesmo um pedido de socorro.

– Acho que estou entendendo o que o senhor quer dizer.

– Chorar e pedir desculpas são um baixar armas, dando-se ao direito de reconhecer que somos humanos, erramos de tempos em tempos e nos entristecemos por isso. O mais importante é que, quando assim agimos, trilhamos o caminho para o crescimento e melhoramento de si mesmos – e Joshua olhou nos olhos do homem. – Meu amigo, no final, minha verdade lhe digo: chorar e se desculpar são instrumentos de construção de homens autênticos, dispostos a se reciclar e evoluir. E, o mais importante: resolvidos consigo mesmos.

"20" comentários em: O choro e o pedido de desculpas

  1. Rafael - 14 de novembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Tereza Gibson
    As sextas são sagradas sua publicação para mim eu espero ansiosa obrigada amigo vc e muito gentil !!!!

    • Rafael - 14 de novembro de 2014

      Beijos Tereza

  2. Rafael - 14 de novembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Grace Oseki
    Parabéns Rafael!! Muito lindo, sincero e profundo!!

    • Rafael - 14 de novembro de 2014

      Beijos Grace!

  3. Rafael - 14 de novembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Eliene Lima
    Rafael Lovato, este texto é muito lindo! Parabéns.

    • Rafael - 14 de novembro de 2014

      Beijos Eliene!

  4. Rafael - 14 de novembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Que verdadeiro e belo texto, meu querido amigo Rafael!

    • Rafael - 14 de novembro de 2014

      Beijão minha querida amiga Heloiza

  5. Rafael - 7 de outubro de 2012

    Via FACEBOOK
    Liège Bcs
    ADOREI ´´E É VERO!!

  6. Rafael - 7 de outubro de 2012

    Via FACEBOOK
    Adriana Kortlandt
    O choro como construção… Adorei, Rafael!

    • Rafael - 7 de outubro de 2012

      Que bom, minha querida Adriana!

  7. Rafael - 6 de outubro de 2012

    Via FACEBOOK
    Lucas F. Maziero
    Lovato, abração. Toda sexta-feira está aí firme e forte com seus artigos, parabéns 🙂

    • Rafael - 6 de outubro de 2012

      Valeu meu amigo Lucas.

  8. Rafael - 6 de outubro de 2012

    Via FACEBOOK
    Rosiane Ceolin
    Será que essas crianças de outrora não mais possuem motivos para derramarem lágrimas, ou criaram enorme muralha de defesa em torno de si mesmos, e não mais se autorizam a externarem seus sentimentos? (…)Perfeito, boa noite amigo.

    • Rafael - 6 de outubro de 2012

      Bjão minha querida Rosiane!

  9. Rafael - 5 de outubro de 2012

    Via FACEBOOK
    Blacia Gonzales
    “Chorar e pedir desculpas são um baixar armas, dando-se ao direito de reconhecer que somos humanos, erramos de tempos em tempos e nos entristecemos por isso.” Frase q mais gostei! Bom final de semana!

  10. Rafael - 5 de outubro de 2012

    Via Facebook
    Ronan Rosa Mairesse
    Como diz o professor Roberto Shinyashiki…. “chorar é suco de gente”… chorar é mostrar a capacidade de emocionar-se

    • Rafael - 5 de outubro de 2012

      É isso aí, Ronan!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *