<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

9 novembro 2012

A verdadeira sapiência

O peregrino Joshua chegara a Monte Branco já  tarde da noite passada. Por sorte, encontrou um quarto vago na única pensão do vilarejo. Naquela manhã chuvosa, pensou que o melhor seria descansar um pouco, e sentou na confortável poltrona da sala de estar, para refletir sobre a vida e os homens.

No entanto, sem demora, outro dos hóspedes se sentou perto de si, trazendo Joshua de volta ao tempo presente.

– Vejo que o amigo é um peregrino. Nossa, eu também gostaria de ser um sábio! Minha vida seria bem mais fácil. Conhecer tudo sobre o mundo! Se eu tivesse um conhecimento científico gigantesco, ninguém seria mais feliz do que eu…

Joshua olhou para o hóspede.

– Meu amigo, cuidado com aquilo que deseja, pois pode se tornar realidade.

O hóspede arregalou os olhos e deu de ombros.

– Como assim? O senhor não concorda com o que falei?

Joshua ajeitou a bengala entre os joelhos.

– A sapiência científica, à qual o amigo se referiu, acima de qualquer outra coisa, traz questionamentos dos mais profundos e atrozes, e que são diretamente proporcionais à vastidão daquela. O sábio questiona tudo, e, ocupado com sua necessidade de encontrar explicações, aliada com a impossibilidade de admitir convenções, acaba não mais percebendo o encantamento do que o rodeia. Perde a magia dos seres, a volúpia do viver por viver, a tranquilidade da vida contemplativa. Sábios não são ingênuos, e isso, não necessariamente, é algo confortante.

O hóspede coçou a cabeça.

– Jesus cristo! O senhor deu um nó na minha cabeça!

– O que quero dizer é que sabedoria, pura e simplesmente, não traz felicidade. Muito pelo contrário. Deixe-me dar um exemplo: o sábio, quando avista o voo leve de uma abelha sobre uma flor, não se indaga acerca do milagre da criação, da magia do voar e da magnificência incomparável do odor da planta, o que seria uma abordagem ingênua. O amigo concorda?

– Concordo.

– O sábio imediatamente compreende, dura e secamente, que tudo não passa de dispersão de energia, de reações químicas e amontoados de matéria, que morrerão e se reciclarão. Que a abelha é um ser irracional, que não possui a consciência de sua existência, vivendo por instinto, somente preocupada com sua sobrevivência, sem tomar conhecimento do espinho da flor, que poderia matá-la.

– Acho que entendi… Não saber do espinho seria uma verdade individual da abelhinha, uma gratificante ignorância, é isso?

Joshua bateu a mão no joelho.

– Exatamente! Que bênção desconhecer esse espinho, não é mesmo? Meu amigo, somos aquilo que percebemos através de nossos sentidos.

– Como assim?

– O que somos, o nosso mundo individual, deriva diretamente de nossa percepção, e se a abelha desconhece o espinho, para ela ele inexiste, por mais que outros o percebam. Assim, somente ocupam seus pensamentos, com a perfurante ponta do ferrão, aqueles que possuem consciência de que ele existe.

– O que deixaria a abelhinha infeliz, com medo da morte e coisas assim…

Joshua se inclinou para próximo do hóspede.

– Sim, pois sabedoria científica não implica compreensão sobre si mesmo, que é o que o amigo deve almejar: saber quem você é e qual o seu lugar nesse mundo – e Joshua olhou nos olhos do hóspede. – E é por isso que minha verdade lhe digo: o mais importante é possuir a sapiência de bem amar, ser solidário, compreensivo, amigo. Essas sabedorias, garanto-lhe, conduzem a uma vida feliz.

"12" comentários em: A verdadeira sapiência

  1. Rafael - 26 de dezembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Alessandra Minadakis Barbosa
    Muito bom! Compartilhei.

    • Rafael - 26 de dezembro de 2014

      Beijos Alessandra

  2. Rafael - 25 de dezembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Jerônimo Mendes
    Muito bom! 🙂

    • Rafael - 25 de dezembro de 2014

      Abraço Jerônimo!

  3. Rafael - 25 de dezembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Luciene Saldanha
    “Perde a magia dos seres, a volúpia do viver por viver, a tranquilidade da vida contemplativa. Sábios não são ingênuos, e isso, não necessariamente, é algo confortante”. Pura verdade, adorei o texto, Rafael Lovato, bjs.

  4. Rafael - 25 de dezembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Tereza Gibson
    Oi. Amigo. Desejo. A. VC. E. Sua. Familia. Um. Feliz. Natal. E. Um. Ano. Novo. Saúde. Paz. E. Muito. Susseso.

    • Rafael - 25 de dezembro de 2014

      Beijos Tereza!

  5. Rafael - 25 de dezembro de 2014

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Belo texto Rafael! Feliz Natal e um fantástico 2015 para vocês,queridos amigos 🙂

    • Rafael - 25 de dezembro de 2014

      Beijão Heloiza!

  6. Rafael - 20 de novembro de 2012

    Via FACEBOOK
    Alfredo Silva
    Muito Bom…

    • Rafael - 20 de novembro de 2012

      Abraço meu amigo Alfredo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *