<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

4 janeiro 2013

O reconhecimento alheio

Naquela tardinha veranil fria e chuvosa, o peregrino Joshua se encontrava sentado em uma das poltronas da sala da pensão, tomando chá com limão e mel, gentileza da proprietária do estabelecimento. Um ligeiro resfriado, acompanhado de persistente dor na garganta, elegeram-no seu hospedeiro, mantendo-o por mais alguns dias na cidade de Arroio Grande.

Sua vontade era a de se rebelar e fugir daquela condição. Porém, pensou que o resfriado estava em si, e, gostasse ou não, só o tempo o curaria. Precisava se tranquilizar e resignar.

Passando o tempo, conversava com um homem, também de passagem pela cidade, que se queixou:

– Estou perdido em minha vida. Não tenho dinheiro, quero coisas que não posso ter, possuo sonhos que não consigo materializar… O que fazer? Ninguém me escuta ou destina-me importância. Ninguém reconhece meus esforços! Isso não é justo!

Joshua depositou a xícara de chá na mesinha ao lado de sua poltrona, e olhou para o homem.

– Meu amigo, não raramente, o mundo dos homens é mesmo injusto e cruel. Mas, muitas das benesses que experimentamos em nossa existência, assim como percalços e desventuras, devem ser creditados a nós mesmos.

O homem cruzou os braços.

– O que o senhor quer dizer?

– Que, muitas vezes, sabemos com exatidão qual o caminho correto a seguir, mas, não o percorremos, por ser demasiado caliginoso e difícil. Dinheiro, materialização de sonhos, importância, reconhecimento… Tudo isso é consequência das escolhas e caminhos que tomamos em nossa vida. Nada é gratuito.

– O senhor diz isso, pois é importante! Todos o escutam e admiram, como pude ver aqui na pensão. Já a mim, ninguém escuta!

Joshua ajeitou a bengala entre os joelhos.

– Não somos escutados por nossos semelhantes porque somos importantes, e, sim, porque em um dado momento gritamos para sermos ouvidos. Não somos admirados e reconhecidos porque abrimos as portas de nossas casas e esperamos ser procurados, mas, sim, porque procuramos os semelhantes e lhes entregamos o que possuíamos de bom, legítimo e sincero. O que posso lhe dizer é que, neste mundo, nada se conquista sem esforço, determinação, disciplina e perseverança.

O homem gesticulava.

– Mas, quantas pessoas nascem ricas, possuem grandes negócios, uma vida de riquezas. Eu não tenho nada!

Joshua se inclinou na direção do homem.

– São nesses momentos, quando almejamos ocupar o local onde outrem se encontra, que devemos nos perguntar: estou disposto a suportar os mesmos ônus? A pagar o preço? A abrir mão do que é necessário para alcançar esse objetivo? Fácil vermos o resultado. Mas, o mais importante é compreendermos o árduo caminho que leva até ele, e escolhermos percorrê-lo.

O homem coçou a cabeça.

– Agora acho que estou entendendo aonde o senhor quer chegar.

– Meu amigo, tranquilize-se. Nessa vida, o reconhecimento dos trabalhos em que nos engajamos nem sempre é imediato, e o caminho do sucesso é longo. O que posso lhe dizer é que você deve guardar em mente que seus semelhantes em nada são melhores ou piores do que você, e que você é capaz dos mesmos feitos. Lembre-se que a paciência sempre é uma boa companhia, e que é preciso nos doarmos para alcançarmos aquilo que queremos – e Joshua olhou nos olhos do homem. – É por isso que minha verdade lhe digo: faça o que você ama e almeje o que o seu próprio coração anseia. Pois, lutar para alcançar o reconhecimento alheio é luta inglória, na qual jamais encontrará a realização do que você de fato é.

"24" comentários em: O reconhecimento alheio

  1. doralina lovato tesck - 1 de março de 2015

    adorei você Rafael , quero ler tudo que você escreveu ( amo ler)

    • Rafael - 1 de março de 2015

      Que bom Doralina, beijão!

  2. Claucia Ruschel - 21 de fevereiro de 2015

    Sempre muito bom ler seus textos…e refletí-los! Obrigada Rafael!

    • Rafael - 21 de fevereiro de 2015

      Beijão Claucia!

  3. Rafael - 20 de fevereiro de 2015

    Sonia Vasques
    Sabias palavras, sempre bom ler o q Vc post…Obg.

    • Rafael - 20 de fevereiro de 2015

      Beijão Sonia

  4. Rafael - 20 de fevereiro de 2015

    Heloiza Averbuck
    Muito bom!

    • Rafael - 20 de fevereiro de 2015

      Beijão minha querida Heloiza

  5. Rafael - 20 de fevereiro de 2015

    Márcia Solange Vilela Moraes
    exatamente isto.

    • Rafael - 20 de fevereiro de 2015

      Beijos Márcia

  6. Rafael - 20 de fevereiro de 2015

    Valdir Pedroso
    Amigo Rafael Lovato! O peregrino deixa na curiosidade…o resto da resposta que leva a lei de causa e efeito…muito bom… Abração amigão

    • Rafael - 20 de fevereiro de 2015

      Abração Valdir!

  7. Rafael - 20 de fevereiro de 2015

    Arnaldo Leodegário Pereira
    Bom dia Rafael Lovato! Muito bom ! Parabéns!

    • Rafael - 20 de fevereiro de 2015

      Abração Arnaldo!

  8. Rafael - 20 de fevereiro de 2015

    Juracy Michelin Barban
    Bom dia Rafael Lovato !!

    • Rafael - 20 de fevereiro de 2015

      Beijos Juracy

  9. Rafael - 20 de fevereiro de 2015

    Tereza Gibson
    Bom dia Rafael !!!

  10. Rafael - 10 de janeiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Blacia Gonzales
    “Que, muitas vezes, sabemos exatamente qual o caminho correto a seguir, porém, não o percorremos por ser demasiado caliginoso e difícil”. Belo trecho para nos inspirar, dar coragem, investir para termos um maravilhoso 2013! Feliz Ano Novo!

    • Rafael - 10 de janeiro de 2013

      🙂 Feliz Ano Novo!

  11. Rafael - 4 de janeiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Rosiane Ceolin
    Meu amigo, tranquilize-se. Nessa vida, o reconhecimento dos trabalhos em que nos engajamos nem sempre é imediato, e o caminho do sucesso é longo. Boa tarde meu amigo Rafael.

    • Rafael - 4 de janeiro de 2013

      Bjão minha querida amiga Rosiane!

  12. Rafael - 4 de janeiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Ana Claudia Marques
    Lido e compartilhado. Tuas reflexões são as de muitos, as respostas, são as de poucos.

    • Rafael - 4 de janeiro de 2013

      🙂 Bjão minha querida Ana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *