<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

11 janeiro 2013

O desânimo

O peregrino Joshua, após melhorar do resfriado que lhe abatera, deixou para trás a cidade de Arroio Grande, com seus modernos automóveis e frenesi de pessoas. Retomou, revigorado, sua peregrinação por locais mais tranquilos. Naquele início de tarde chegou ao vilarejo de Vento Norte caminhando sob tórrido sol de verão.

Não sem uma pontinha de ironia, refletiu que, quando o inverno chegava e o frio castigava os homens, ele lembrava para si mesmo que o verão não tardaria. Para se aquecer, imaginava-se em um ensolarado campo verdejante, e, sem demora, parecia que seu dia esquentava.

Porém, então, caminhando sob o escaldante sol de verão, lembrava-se da gélida brisa de inverno. Que bom, pensou consigo mesmo, que avistou um riacho nas proximidades do vilarejo.

Foi quando se apercebeu de que o disparate, de sempre se desejar aquilo que não se possui, era intrínseco da natureza humana. No entanto, isso poderia ser nada além da ótica otimista de encarar a vida, sempre encontrando algo de bom em qualquer situação.

Enquanto procurava a pensão do vilarejo, deparou-se com um homem de meia idade sentado no muro de uma casa. Atendendo ao convite do homem, sentou-se ao seu lado para descansar um pouco. Após alguns minutos de descontraída conversa, o homem comentou:

– Sabe, todos os dias, quando acordo, pergunto-me qual motivo possuo para me levantar. Não gosto do que faço de minha vida. Meu trabalho não tem sentido algum para mim. Cumpro meu horário, faço minhas tarefas, conto os minutos para ir embora. E, no outro dia, tudo recomeça…

Joshua se virou de frente para o homem.

– Meu amigo, neste mundo, muitos compartilham deste sentimento. Deixe-me lhe contar uma história. Certa vez, uma mulher se encontrava muito cansada e desanimada com seu casamento. Todos os dias lhe pareciam iguais, não vislumbrava qualquer sentido em sua vida e mal suportava seu marido. Em sua mente, o que pensava era em fugir para um lugar bem longe, e esquecer tudo, começar uma nova vida.

O homem bradou com o dedo em riste.

– Pois eu sei muito bem o que ela sentia!

Joshua ajeitou a bengala entre os joelhos.

– Então, um dia, ela fugiu.

– A la pucha! – O homem arregalou os olhos. – Foi, é?

– Sim. Deixou a vida para trás. Reconstruiu uma nova família, e, depois de algum tempo, novamente, tudo no que ela pensava era em fugir. Então, ela refletiu acerca de si mesma, do motivo de sua vida anterior e presente serem um inferno. Foi quando percebeu que, na verdade, o problema residia dentro dela mesma: ela fora indisponível durante o passar dos anos, ela é que não conseguia ver o lado bom de suas famílias, o carinho dos filhos, o amor dos maridos. Só o que enxergava eram as coisas ruins, os deveres e seus próprios desejos inalcançados.

– Entendi. Sei como é esse pensamento pessimista.

Joshua olhou para o homem.

– Meu amigo, muitas vezes, precisamos baixar nossas armas e ver que a guerra, instalada em nossas vidas, é alimentada por nós mesmos. É deveras importante compreendermos que nossas vidas são valiosas demais para nos abatermos pelo desânimo e rendição. Se nos encontrarmos descontentes com algo, o melhor é nos esforçarmos para mudá-lo – e Joshua olhou nos olhos do homem. – É por isso que minha verdade lhe digo: não digladie com seu dia a dia, viva-o. Não reclame da sua sombra, ligue uma luz. Não deseje pelo inverno no verão, tome um banho de rio. E, o principal: não culpe os outros pela sua batalha diária, e, sim, pare de brigar consigo mesmo.

"17" comentários em: O desânimo

  1. Delci Mantelli - 11 de março de 2016

    parar ou andar,prefero andar,obstáculos vou encontrar e com humildade os vencerei…abraço !

  2. Delci Mantelli - 11 de março de 2016

    Parar ou andar….prefiro caminhar,na minha própria luz,pois obstáculos irei encontrar,mas com a cabeça erguida e com humildade,as coisas acontecem..forte abraço!!!!!

  3. Rafael - 1 de março de 2015

    Luciene Saldanha
    Adoro os textos, fico aguardando toda semana.

    • Rafael - 1 de março de 2015

      Que bom Luciene, beijos

  4. Rafael - 28 de fevereiro de 2015

    Eliene Lima
    Riquíssimo o seu texto, Rafael Lovato!!

    • Rafael - 28 de fevereiro de 2015

      Beijos Eliene

  5. Rafael - 27 de fevereiro de 2015

    Juracy Michelin Barban
    Estou apaixonada por Joshua.

  6. Rafael - 27 de fevereiro de 2015

    Luís Francisco Huyer
    Muito bom, Rafael!

    • Rafael - 27 de fevereiro de 2015

      Abração Luís

  7. Rafael - 27 de fevereiro de 2015

    Adelaide Silvana
    Sábio Joshua!

    • Rafael - 27 de fevereiro de 2015

      Beijos Adelaide

  8. Rafael - 14 de janeiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Wilton Bastos
    Embora eu – um niilista irremediável – não consiga ser tão otimista quanto o Joshua, sempre admiro a poesia com que ele encara a vida

    • Rafael - 14 de janeiro de 2013

      Hehe, legal meu amigo Wilton. Abração!

      • Rafael - 14 de janeiro de 2013

        Wilton Bastos
        É sério! o trecho “Não deseje pelo inverno no verão, tome um banho de rio” foi genial

  9. Rafael - 11 de janeiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Muito legal Rafael Lovato

    • Rafael - 11 de janeiro de 2013

      Bjão minha querida amiga Heloiza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *