<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

1 fevereiro 2013

Lágrimas na chuva

A intempérie ainda segurava Joshua no vilarejo de Vento Norte, e os dias começavam a lhe parecer infinitos. Sentado na varanda da pensão, com as mãos sobre a bengala e olhando o entardecer chuvoso, ansiava caminhar, ver novas paragens, conhecer pessoas…

Súbito, um homem sentou ao seu lado, fumando cachimbo, trazendo Joshua de volta ao momento e tempo presentes:

– Tenho ouvido falar do senhor – pausou. – Busco saber de suas palavras, e tento seguir seus ensinamentos. Mas, algo me ocorreu com o que ouvi ultimamente, e, então, pergunto: o senhor está triste? – e baforou densa fumaça de tabaco.

Joshua olhou para o homem.

– Sabe, meu amigo, você não é o primeiro a me perguntar, nesses últimos dias, se me encontro angustiado, aflito ou incomodado. Uma simpática senhora, inclusive, questionou-me se sou obrigado a fazer o que não quero, e se almejo e desejo uma nova vida. Outros se indagaram se sinto morrer a cada alvorecer, pretendendo dormir eternamente a cada pôr do sol…

– Sim, essa preocupação também cruzou meus pensamentos. Não consigo imaginar por que o senhor me parece tão abatido. Alcançou o que muitos almejam, sempre vence. Não há motivos para tristeza.

Joshua se ajeitou na cadeira.

– Meu amigo, não venço sempre, não mesmo. Nessa minha longa vida, muitas batalhas perdi, e tantas outras abandonei por entendê-las desnecessárias, estéreis. No entanto, o que posso dizer é que permaneço lutando: eu não desisto de mim mesmo. Não me conformo. Não abaixo minha cabeça. Não aceito iniquidades. Não digo sim quando deveria dizer não.

O homem olhou nos olhos de Joshua.

– Sim, sem raridade me questiono acerca de onde se encontram os homens que permanecem em pé frente às injustiças, justos e de bons costumes. O mundo está perdido. Não há salvação.

– E eu lhe respondo que esses homens estão onde sempre estiveram. No entanto, a vida cobra preços diferentes a cada amanhã, e precisamos priorizar alguns aspectos, tomar fôlego, o que não significa termos abandonado outras ideologias, nem nosso próprio âmago.

O homem deu longa tragada em seu cachimbo.

– Estou um pouco confuso. O que o senhor está querendo me dizer?

– Que somos imperfeitos, e que, às vezes, esmorecemos. Mas, o importante é mantermos acesa a vontade de progredir, a perseverança em avançar. E, que me encontro muito cansado. No entanto, sei muito bem o que quero de mim, e onde devo ir para auxiliar meus semelhantes.

– Ora, então, anime-se!

Joshua olhou nos olhos do homem.

– Certamente. Mas, minha energia é finita. No final, muitas vezes penso que, em virtude de minha avançada idade, devo parar. Mas, então, lembro que me encontro à mercê do mundo, e que tudo, ou quase tudo, que sou e faço será perdido no tempo, como lágrimas na chuva. A memória coletiva é minha melhor alternativa de permanência, de continuidade, de eternidade. O amigo me pergunta se me encontro triste, ao que minha verdade lhe digo: nunca, pois sou o que sempre desejei ser. No entanto, sou humano.

"14" comentários em: Lágrimas na chuva

  1. Rafael - 20 de março de 2015

    Maria Lucia Holanda
    Mais um lindo texto!

    • Rafael - 20 de março de 2015

      Beijão Maria

  2. Rafael - 20 de março de 2015

    Rafael de Oliveira
    Belo!

    • Rafael - 20 de março de 2015

      Abraço Rafael

  3. Rafael - 20 de março de 2015

    Eliene Lima
    Adorei!

  4. Rafael - 20 de março de 2015

    Juracy Michelin Barban
    Joshua ,também não está bem queria ver mais. BJOS RAFAEL LOVATO.

    • Rafael - 20 de março de 2015

      Beijos Juracy

  5. Rafael - 7 de fevereiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Ana Claudia Marques
    Aceitar até os momentos de baixa, para fortalecer-se e continuar em frente. Gostei.

    • Rafael - 7 de fevereiro de 2013

      Bjão Ana Claudia!

  6. Rafael - 2 de fevereiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Ines Hoffmann
    Amei!

    • Rafael - 2 de fevereiro de 2013

      Que bom minha querida Ines

  7. Rafael - 1 de fevereiro de 2013

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Lindo…

    • Rafael - 1 de fevereiro de 2013

      Bjão minha querida Heloiza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *