<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

10 maio 2013

A outra face

Naquele início de tarde, o peregrino Joshua se encontrava sentado na vendinha de secos e molhados do povoado de Menina Bonita. Bebia de um copo de água e escutava um cliente conversar com o dono do estabelecimento.

– …Pois é isso mesmo, seu Alfredo. Hoje o Pedro me paga pelo que me aprontou!

– Assim que se fala! Não podemos deixar nada barato.

No rádio, Joshua ouvia uma voz uníssona pregando: “Em tudo há vida, meus irmãos. Em tudo está o Salvador. Tudo é Sua obra. Todos somos Seus filhos. Amai o próximo.”.

O cliente prosseguiu.

– Haha! Olha o que esse rádio está falando! Amar o próximo. Aí sim!

Alfredo também gargalhou.

– Nunca fui religioso! E você, peregrino, acredita em Deus? Ou, nessa balela de amar os outros e perdoar tudo o que nos aprontaram?

Joshua depositou o copo de água sobre a mesa, e olhou para os homens.

– Meus amigos, o pouco que sei aponta no sentido de que muito do que li e ouvi sobre Deus, Cristo, Buda, Krishna, eu gostei e me esforço para seguir. No contexto do que vocês conversam, uma passagem que entendo bela e interessante, e da qual retirei grande ensinamento, foi a que Jesus, tendo levado um tapa numa face, ofereceu a outra ao agressor.

– Pois sim! – Bradou o cliente. – Dar a outra face? O senhor endoidou?

Alfredo saltou atrás do balcão.

– Temos é de dar um tabefe no safado!

Joshua pegou sua bengala e se levantou da cadeira, dando um passo na direção dos homens.

– Talvez. Mas, quando vejo alguém sendo agredido, e, após o ato vil, de imediato oportunizar àquele que lhe infligiu a ofensa uma oportunidade de fazê-lo de novo, penso em coragem.

O cliente cuspiu no chão.

– Isso é atitude de fracos! Ou, pura burrice.

Joshua deu mais um passo.

– Prefiro entender que essa é a melhor maneira de confrontarmos o agressor com sua agressão, oportunizando-lhe repensar sua atitude. Além disso, penso que é preferível, mesmo confortante, a possibilidade de nos darmos ao direito de não devolvermos um mal, de sermos melhor do que ele. Principalmente, de demonstrarmos isso àquele que tenta nos atingir, adotando uma posição forte e honrada.

Alfredo coçou a cabeça.

– Acho que entendi o que o senhor quer dizer.

Joshua deu mais um passo, parando ao lado do cliente.

– Meu amigo, tal atitude não guarda qualquer relação com covardia ou medo. Muito pelo contrário. Se alguém nos quer mal ou tenta nos diminuir, inexiste melhor resposta do que demonstrarmos que não nos ofendemos. Que somos imunes àquela maldade, que não nos abatemos e que permanecemos firmes em nossas convicções e princípios.

O cliente olhou nos olhos de Joshua.

– Pensando assim, até que faz sentido.

Joshua prosseguiu.

– Além do mais, se conduzirmos nossas vidas sob a égide do toma lá, dá cá, sempre alertas para revidarmos uma agressão, o provável é que, num momento ou noutro, seremos nós mesmos os agressores. E, tal condição, ao menos para mim, é inadmissível – e Joshua colocou a mão sobre o ombro do cliente. – É por isso que minha verdade lhe digo: não trate violência com violência. Dê-se ao direito de oferecer a outra face, para viver com mais tranquilidade. Seja superior ao mal que tentam lhe infligir, pois, assim, chegará o dia em que agressões não mais o atingirão.

"4" comentários em: A outra face

  1. Rafael - 10 de maio de 2013

    Via FACEBOOK
    Adriana Kiesel
    Muito bom!

    • Rafael - 10 de maio de 2013

      Bjão minha querida Adriana!

  2. Rafael - 10 de maio de 2013

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Grande lição do peregrino Joshua! Lindo Texto, Rafael!

    • Rafael - 10 de maio de 2013

      Bjão minha querida amiga Heloiza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *