<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

7 junho 2013

Desentendimentos e efemeridade da vida

 

O peregrino Joshua andava pelas ruas do povoado de Boiada Grande olhando para o céu, e viu-o límpido como há muito não via. A cada passada sob o tímido sol do meio-dia seus gelados pés gelados, o que anunciava que o inverno chegava. Joshua possuía a sapiência de que seu velho corpo sofreria nos próximos meses. Porém, assim era a vida, e de nada adiantava lutar contra ela ou reclamar de sua própria natureza.

Quando baixou os olhos, viu um rapaz sentado em um banco, ao sol. Concluiu que aquele era um momento tão bom quanto qualquer outro para descansar um pouco, e sentou ao lado do rapaz, sem nada dizer.

Após alguns momentos de silêncio, o rapaz falou:

– Nunca mais vou perdoá-lo! Vou riscá-lo do meu caderninho. Como meu melhor amigo pôde agir assim comigo? Não… Ex-melhor amigo! Não sou mais amigo dele. Foi um ultraje o que ele me fez. Somos estranhos agora.

Joshua nada disse, resumindo-se a olhar para o rapaz, que disse, irritado:

– Então, vovô? Não vai dizer nada?

– Meu rapaz, o que posso lhe dizer é que outrora já me encontrei no local onde você se encontra hoje.

– Tá, e daí?

– Daí que, nessa vida, muitas pessoas me desiludiram e entristeceram. Ofendi-me com supostas afrontas pessoais, diminuí minha pequena lista de amigos e aliados, e me isolei, fugindo de novas frustrações.

O rapaz concordou com um aceno de cabeça:

– É… Sei muito bem o que o senhor passou.

Joshua ajeitou sua bengala entre as pernas.

– Então, invernos foram embora dando espaço para verões, as plantas cresceram, o planeta seguiu revolucionando e muitos homens morreram, inclusive homens que conheci, no meu passado há muito esquecido. Foi quando me dei conta da efemeridade de minha passagem por esse mundo, e de que, um dia, por certo também deixarei de existir.

O rapaz coçou a cabeça.

– Aonde o senhor quer chegar?

Joshua olhou nos olhos do rapaz.

– Então, perguntei-me: do que adiantou privar-me de certas companhias, do que me valeu sustentar uma briga com um parente, por qual motivo afastei-me de um amigo? Por causa de palavras impensadas e ditas num momento de descontrole? Por causa de uma pequena ofensa?

– Sim, ofensa é algo sério!

– Talvez, mas e ela foi tão grave a ponto de justificar uma vida de afastamento? Por quê? Para quê? Meu rapaz, no final das contas, não vale a pena. Os maiores prejudicados com os desentendimentos, brigas e afastamentos, somos nós mesmos, posto que essa é uma vida finita. Pode não existir o amanhã.

– Mas tem coisas que a gente não pode aguentar!

– Claro que existem casos nos quais não mais conseguimos nos relacionar com alguém, mas essa deve ser a exceção. O preferível é sentar e conversar com seu amigo, pois, é possível que ele também esteja ultrajado com uma conduta sua. – Joshua colocou a mão no ombro do rapaz. – É por isso que minha verdade lhe digo: seja melhor do que a briga, seja superior à ofensa. Não deixe sua vida ser governada por mal-entendidos e desentendimentos. O principal: mágoas são curadas com perdão.

"6" comentários em: Desentendimentos e efemeridade da vida

  1. Zeli Scheibel - 7 de junho de 2013

    A pergunta que devemos fazer a nossa consciência é se em algum momento não fomos nós o ofensor? Depois de ouvir a resposta certamente vamos pensar diferente. No entanto o perdão sempre é o melhor remédio. Grande abraço, Zeli

    • Rafael - 7 de junho de 2013

      Bjão minha querida amiga Zeli!

  2. Rafael - 7 de junho de 2013

    Via FACEBOOK
    Blacia Gonzales
    Muito legal: “E, lembre-se: mágoas são curadas com perdão.” Bom final de semana pessoal.

    • Rafael - 7 de junho de 2013

      🙂 Bjo Blacia

  3. Rafael - 7 de junho de 2013

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    A mais pura verdade! Obrigada pelo belo texto Rafael Lovato…Food for thought ! 🙂

    • Rafael - 7 de junho de 2013

      Hehe bjão minha querida Heloiza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *