<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

18 junho 2013

Os monstros que alimentamos

Há dois dias o peregrino Joshua deixara o povoado de Boiada Grande para trás. Mesmo com o frio do inverno, rumou na direção do litoral, pois já se encontrava saudoso do mar, da maresia, da tranquilidade das dunas de areia. Era tardinha quando chegou à beira-mar. Parou em pé na linha da água, fitando o horizonte, as ondas, o repuxo da água e, ao longe, viu um barquinho que julgou ser de pescadores. Vários momentos passaram enquanto limpava os pensamentos de sua mente, aproveitando a brisa úmida gelando suas bochechas, quando ouviu, vinda de seu lado, a voz de um homem:

– E pensar que do outro lado dessa imensidão de água existe a continuação do mundo… Inacreditável.

Joshua olhou para o homem.

– Sim, é verdade.

– Não é por menos que o mar inspirasse tanto medo na antiguidade. Mesmo eu, hoje em dia, sequer ouso me banhar em suas águas. Ele de fato me parece um grande monstro, à espreita, pronto para me engolir… O que o senhor pensa disso?

Joshua, tentando firmar sua bengala na areia, virou-se de frente para o homem.

– Meu amigo, o que sei é que, quanto mais alimentamos um monstro, maior ele fica.

– Como assim?

– Dia a dia interagimos com milhares de informações, que são a nossa metafísica. Dela originamos a nossa percepção de mundo, que, muitas vezes, em virtude de uma informação equivocada, gera um conceito errôneo e aleijado sobre uma questão ou alguém. O amigo falou do mar…

– Isso mesmo.

– Eu lhe falo dos homens: inexiste diferença. Muitos de nós, e não é raro, parecemos monstros aos olhos de outrem, assim como nós mesmos vemos monstros em diversas pessoas.

O homem concordou com um aceno de cabeça.

– Isso é bem verdade.

O vento frio castigou Joshua que ouviu suave bater de asas do anjo sentado em seu ombro, e se aqueceu.

– O mais interessante é que a mesma pessoa pode, aos olhos de um, parecer feroz e terrível, enquanto aos de outrem, um bem-vindo amigo.

O homem coçou a cabeça.

– Por que isso acontece?

– Porque, nessa vida, tudo é uma questão de percepção e cuidado individuais. Cuidado, pois tanto os homens quanto o mar, se tratados sem cautela, são fatalmente perigosos. De outra monta, se compreendidos e respeitados, tornam-se aliados. Por isso é tão importante relativizarmos nossos conceitos, aceitando uma nova, e diferente, percepção do mundo.

– Acho que entendi o que o senhor quer dizer.

Joshua olhou nos olhos do homem.

– Meu amigo, não alimente o medo, compreenda a causa. O mais importante: leve em conta o que outros lhe dizem sobre monstros, porém, busque saber a verdade por si mesmo. Acaso lhe digam que o mar é perigoso, escute, mas não ao ponto de se negar a entrar na água. Se lhe dizem que o vinho faz mal, preste atenção, mas não ao ponto de não bebê-lo. Se lhe confidenciam que alguém é mau, acautele-se, mas não ao ponto de abandoná-lo.

– Faz sentido sim – o homem balançava a cabeça.

– Veja o mar, por exemplo: as mesmas ondas que podem feri-lo, se abordadas de modo correto, banhar-lhe-ão sem causar mal algum – Joshua colocou a mão sobre o ombro do homem. – É por isso que minha verdade lhe digo: nessa nossa vida, não devemos nos esconder por medo. O melhor é conversarmos com constância com nossos monstros, para mantê-los pequeninos, amigáveis e inofensivos. Só assim os venceremos.

"14" comentários em: Os monstros que alimentamos

  1. Rafael - 24 de julho de 2015

    Monica Regina Moraes
    Tem vezes que não queremos saber o que realmente nos incomoda, ou nos mete medo, mas está aí o segredo: ter coragem e encará-lo de frente. Neste momento, vamos entendendo e achando meios de transformar esse grande monstro que nos atormenta em auto conhecimento e crescimento pessoal. Aprecio sem moderação as sextas feiras com Joshua! Abraço Rafael Lovato.

    • Rafael - 24 de julho de 2015

      Beijão Monica

  2. Rafael - 24 de julho de 2015

    Eduardo Rech
    Prá cima deles !

    • Rafael - 24 de julho de 2015

      Hehe abração Eduardo

  3. Rafael - 24 de julho de 2015

    Rosa Maria Lovato
    Após décadas de existência neste plano, acho que ainda tenho dois monstros gigantescos me assustando. Vou tentar conversar com eles, de longe, hehehe… Adorei, filho. Sério, vou tentar…

    • Rafael - 24 de julho de 2015

      Que bom amamãe amada Rosa Maria Lovato beijão

  4. Rafael - 24 de julho de 2015

    Rachel Queiroz
    E ninguém é perfeito.

    • Rafael - 24 de julho de 2015

      Beijos Rachel

  5. Rafael - 18 de junho de 2013

    Via FACEBOOK
    Elisangela Ransi
    Perfeito!

    • Rafael - 18 de junho de 2013

      Valeu Elisangela!

  6. Rafael - 18 de junho de 2013

    Via FACEBOOK
    Andréa Prochnow Saenger
    Concordo com a Patricia. Perfeito!! Abraços.

    • Rafael - 18 de junho de 2013

      Valeu minha querida Andréa, bjão!

  7. Rafael - 18 de junho de 2013

    Via FACEBOOK
    Patricia Karnopp
    Perfeito.

    • Rafael - 18 de junho de 2013

      Bjão Patricia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *