<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

5 julho 2013

O ancião e o merecimento

 

O peregrino Joshua permanecia no vilarejo de Conchas Brancas. Naquela fria tarde de inverno, caminhava na beira-mar, com um cachecol, presente da proprietária da pensão, enrolado no pescoço. Admirava a beleza das areias brancas, das conchas, do mar… Sentia-se em paz.

Ao longe, avistou um ancião. Após alguns minutos de andar lento com o auxílio de bengalas, tanto de Joshua quanto do ancião, ambos se encontraram, e o ancião comentou:

– Ninguém tem menos do que merece… Tudo está nos seus devidos lugares. Merecemos vislumbrar a beleza dessa praia, o senhor não acha?

Joshua firmou sua bengala no chão:

– Meu amigo, não penso que seja, somente, merecimento.

– Não?

– Seria muito bom se a vida e esse mundo fossem justos, onde aquele que propaga o bem e a solidariedade entre os homens desconhecesse sofrimento e miséria. Onde a justiça divina reinasse soberana…

– Sim – interrompeu o ancião. – Esse é um pensamento confortante e mesmo encorajador, não acha? O homem não ser a medida do próprio homem e sim a medida de seu merecimento intrínseco…

– Seria confortante, não há dúvida. Porém, penso que há mais do que isso nos meandros de nossa vida. O homem precisa se despir do comodismo e se levantar, buscando aquilo que almeja e deseja. Precisa romper as amarras da resignação e ultrapassar sua própria projeção do seu eu, alcançando mais do que, outrora, lhe parecia suficiente.

– O senhor está inspirado!

Joshua olhou nos olhos do ancião:

– Porém, o mundo costuma ser cruel e injusto, e as vítimas, não raramente, são aqueles merecedores de acolhimento e reconhecimento.

O ancião pigarreou:

– E por quê?

– Muitos acabam preteridos na evolução da vida, pois aguardaram, inertes, o futuro tomá-los de arroubo. Acreditavam que algo de bom e grandioso os aguardava, nalgum lugar. E, não raramente, nada acontece.

– Hm…

– O merecimento está diretamente ligado às nossas condutas e atitudes, é bem verdade. Porém, o mundo dos homens está em constante revolução, e contratempos acontecem…

O ancião aparteou, com voz mansa:

– E, assim, o futuro pode ser injusto e cruel. Tá certo. Mas, prefiro aceitar a justiça Divina como determinante, e que cada um de nós, realmente, receberá o que é seu por direito…

– Meu bom amigo, admiro sua fé. E sei que nosso futuro depende de nós mesmos, assim como nosso merecimento. No entanto, a incerteza é um vetor poderoso, do qual a inércia e resignação são catalisadores.

– Amém.

Joshua apoiou uma das mãos na bengala, e colocou a outra no ombro do ancião:

– No final, minha verdade lhe digo: somos frutos de nossas escolhas diárias individuais, pois nosso amanhã emerge sobre os pilares construídos, por nós mesmos, no nosso hoje.

"4" comentários em: O ancião e o merecimento

  1. Rafael - 6 de julho de 2013

    Via FACEBOOK
    Cristiane Naveca
    Suas historias são fascinantes. Obrigada vc meu caro Rafael Lovato!

    • Rafael - 6 de julho de 2013

      Valeu Cristiane!

  2. Rafael - 5 de julho de 2013

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Mais uma bela leitura! 🙂

    • Rafael - 5 de julho de 2013

      Bjão minha querida e sempre gentil amiga Heloiza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *