<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

19 julho 2013

Quando seguir?

 

O peregrino Joshua deixara para trás o vilarejo de Conchas Brancas já há alguns dias, e chegou à cidadela de Passo Largo um pouco após o meio-dia. Ao caminhar pelas ruas, encontrou a praça central, onde avistou uma multidão de pessoas. Aproximou-se, sentando em um dos bancos, à sombra de uma figueira.

Sem demora, um homem sentou ao seu lado. Em silêncio, ambos prestaram atenção a um senhor, no meio da multidão de pessoas, e que pregava:

– O que fazer daqui para diante?

– Não sabemos! Diga-nos! – a multidão respondeu.

– Sei que minhas palavras transcenderam meu simples existir. Sou conhecido no além-fronteiras. Pessoas andam quilômetros para me ouvir. Mas… Por quê?

– Sim! Você é o nosso salvador! – Gritaram.

O senhor olhou para o céu:

– Pai, onde eu errei? Não sou um Messias!

– Sim! Um messias!

– Messiaaaaaassssss! – vozes retumbaram.

– Sou apenas um homem… – contra-argumentou.

– Sim! O homem! O escolhido!

– O escolhiiiidoooo!! – gritaram.

O senhor levantou os braços, num gesto de pedir a atenção da multidão, e fez-se silêncio.

– Meus filhos, não sou o que vocês esperam. Não vim a esse mundo para ocupar qualquer lugar que não o meu próprio, enquanto homem pecador que sou. Trago comigo, somente, meus atrozes questionamentos, e busco compreender minha própria condição. Se o que falo faz algum sentido, então, escutem uma verdade que tenho para lhes contar…

– Prestem atenção no Messias! – a multidão gritou.

– Esscuuuuuteeeemmmm! – alguém pediu.

O homem suspirou:

– Eu ainda estou procurando.

Um estrondoso silêncio pairou, por alguns momentos, na praça da cidade. Então, um homem perguntou:

– Não encontrou?

– Não! – O senhor respondeu. – E, se estou aqui, hoje, é por que, também, busco respostas. Não sei tudo. Não sou magnânimo. Sou falível, homem, imperfeito. Não quero usar nenhum de vocês, nem ser usado. Preciso de vocês tanto quanto precisam de mim. Quero andar ao seu lado, de mãos dadas, mais um na multidão…

– Só o Messias falaria assim! – berraram.

– Messiaaaaassssss! – a multidão concordou.

Sem demora, o senhor se retirou, e a multidão o seguiu.

Sozinhos na praça, Joshua e o homem ao seu lado, ele questionou, se virando para Joshua:

– Tento compreender qual o motivo deles o seguirem. Claramente, ele não busca isso. Não procura fama ou fortuna. O que querem com ele? Por que não o deixam em paz?

Joshua, ajeitando sua bengala entre os joelhos, respondeu:

– Meu amigo, nessa nossa vida, encontramo-nos em constante busca: por amor, dinheiro, felicidade, carinho, entendimento… Quando vejo um homem como aquele senhor, penso que ele encontrou algo muito precioso. Talvez, seja o que a multidão também vê nele.

O homem coçou a cabeça:

– E o que seria, se me permite perguntar?

Joshua olhou nos olhos do homem:

– Ele encontrou a si próprio. E, isso, é o suficiente para muitas pessoas o seguirem. Porém, a minha verdade lhe digo: só encontra a si mesmo quem aprende com os passos do próximo, mas, desbrava seu próprio caminho. Sejamos nós mesmos, sempre.

– Amém – e ambos continuaram sentados no banco na sombra da figueira, em silêncio.

"4" comentários em: Quando seguir?

  1. Rafael - 19 de julho de 2013

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Muito bom Rafael!!

    • Rafael - 19 de julho de 2013

      Bjo Heloiza!

  2. Rafael - 19 de julho de 2013

    Via FACEBOOK
    Norton Campos
    Baita abraço,Rafa!!!! Lindo…

    • Rafael - 19 de julho de 2013

      Valeu meu amigo Norton, abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *