<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

30 agosto 2013

O frio lá fora

O peregrino Joshua ainda se encontrava no povoado de Carvalho antigo, e naquela tarde permaneceu na pensão. Sim, o frio e o vento castigavam na rua, e achou melhor resguardar um pouco o velho corpo.

Pegou um livro na estante da sala e sentou em uma das poltronas de onde conseguia sentir o calor da lareira. Imediatamente, pensou em como seus sentidos o informavam acerca do mundo e da vida, e de que ele era e compreendia tudo ao seu redor a partir de um único ponto: ele mesmo. E foi naquele momento que concluiu que os homens julgavam, agiam e compreendiam tudo e a todos a partir deles mesmos. E era justamente por isso que julgamentos eram tão perigosos, pois acabavam expondo muito mais daquele que julgava do que dos que eram analisados.

Com esses pensamentos em mente, ajeitou a bengala ao seu lado e abriu o livro, dentro do qual encontrou uma folha solta e manuscrita. Leu-a:

 

 

Fato. Eu mesmo sou o problema.

Não compreendo inteiramente as atitudes e posicionamentos de alguns semelhantes,

E isso demonstra uma falha intrínseca propriamente minha.

Não sou maior nem menor do que aqueles que preciso entender,

Ou relevar, aceitar, perdoar.

Minha ignorância enquanto homem está aí,

Intimamente ligada à minha incapacidade de não ser preconceituoso,

E de ouvir os outros. Realmente ouvir.

Ademais, lido diariamente com ofensas, e das mais variadas.

Isso é viver em sociedade, suponho.

Porém, se do ocorrido não extraí uma possibilidade de auto compreensão,

De perdão, jamais me libertarei da ofensa em si.

Viverei como seu prisioneiro.

Mas, sou inerte. E não devo. Aceito coisas calado.

Esqueço que tudo o que faço em meus dias por este mundo

Depende, exclusivamente, de mim mesmo.

Meu futuro. Minha fortuna. Felicidade. Amores.

Eu, eu, eu. Eu mesmo, e meu espelho. E minha inércia.

Barreiras. Distâncias. O frio.

Esqueço-me de utilizar os desafios para evoluir,

Para abandonar meu viver inerte,

Acomodado. Estou parado. Egocêntrico.

Preciso compreender o mundo fora de mim mesmo.

Ver o horizonte de outrem, para perceber que há vida lá fora.

Mesmo uma vida diferente e melhor para mim mesmo.

No final, eu sou o problema.

Vejo a vida e os homens através da minha janela,

E preciso tomar muito cuidado.

Estagnado, num futuro nem tão distante,

Acabarei me transformando justamente naquilo que um dia combati.

 

 

Joshua guardou a folha no livro e o fechou. E se levantou, pensando que o frio lá fora nem deveria estar tão forte ao ponto de não poder ao menos caminhar um pouco.

 

*Foto de Hugo Bülow.

"8" comentários em: O frio lá fora

  1. Rafael - 2 de setembro de 2013

    Via FACEBOOK
    Blacia Gonzales
    Trecho do texto…”ouvir os outros. Realmente ouvir”… Belo convite para nós. Boa semana!

    • Rafael - 2 de setembro de 2013

      Bjo Blacia!

  2. Rafael - 30 de agosto de 2013

    Via FACEBOOK
    Elaci Bencke
    Adoro…

  3. Rafael - 30 de agosto de 2013

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Verdade incontestável. Muito bom,Rafael!

    • Rafael - 30 de agosto de 2013

      Bjão minha querida amiga Heloiza!

  4. Rafael - 30 de agosto de 2013

    Via FACEBOOK
    Charles Stacke Pfingstag
    Texto admirável caro amigo !!

    • Rafael - 30 de agosto de 2013

      Abração Charles!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *