<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

15 novembro 2013

Somos substituíveis?

 

O peregrino Joshua ainda se encontrava no povoado de Gado Manso, e naquela tardinha, sentado na varanda da pensão, pensando sobre a vida, concluiu que estava cansado. Talvez fosse a idade, talvez as muitas caminhadas ou quem sabe fosse seu espírito. Difícil saber precisamente.

Enquanto Joshua estava com estes pensamentos em mente, um inquilino da pensão se aproximou e falou:

– Sabe, peregrino, ouvi uma frase esses dias que me fez pensar muito: “Tudo neste mundo é substituível, inclusive nossos filhos”. Eu achei um absurdo! E discordo totalmente. O que o senhor pensa sobre este assunto?

Joshua olhou para o homem:

– Difícil mensurar esta afirmação e qual o intento de quem a falou…

– Intento nenhum, foi só maluquice mesmo!

– Hm… Talvez ela seja relativa à nossa capacidade de adaptação…

O homem coçou  cabeça:

– Como assim?

Joshua se levantou da cadeira e se escorou em sua bengala:

– Meu amigo, tudo nos parece substituível posto que nos adaptamos: uma cidade que deixamos por outra, uma namorada que perdemos, um animalzinho de estimação que foge ou morre e mesmo um filho que é tirado de nós…

– Nada substitui um filho perdido…

Joshua deu um passo na direção do homem:

– Eu sei muito bem disso. Mas, não falo de simplesmente substituirmos pura e levianamente, colocando outra coisa em seu lugar. Não é nesse sentido, e sim no que nos adaptamos justamente para sobrevivermos. Fazemos outras coisas  para tornar a dor menos insuportável.

– Não entendi.

– Eu explico. Deixe-me dar um exemplo: suponhamos que estamos acostumados, diariamente, a comermos um certo prato de comida. No dia em que ele nos falta, acabaremos por comer outro, que matará nossa fome, talvez não da maneira que o antigo, não com o mesmo gosto, mas sobreviveremos. E, talvez, descubramos novos temperos, outros aromas.

– Mas um filho é único…

Joshua deu mais um passo na direção do homem:

– Não tenho dúvida. No entanto, precisamos continuar vivendo, não é mesmo? E o mais importante é termos a noção de que o novo nunca preencherá todos os nossos espaços vazios, mas aplacará nossa necessidade de maneira diferente. E não há mal nisso.

– Como assim?

Joshua olhou nos olhos do homem:

– Nossa vida é dinâmica e muitas vezes cruel, isso é verdade. E precisamos da adaptação para continuarmos vivendo. E não que isso substitua, simplesmente, um filho, por exemplo, e sim que ocupa nossa mente, nosso corpo – e Joshua colocou a mão no ombro do homem: – No final, minha verdade lhe digo: nos adaptamos às vicissitudes de nossas vidas posto que é uma questão de sobrevivência. Não podemos nos render, jamais devemos parar de lutar. E sei que, ainda assim, somente tornaremos nossas vidas toleráveis. Mas isso é ser humano, não é mesmo?

"10" comentários em: Somos substituíveis?

  1. Rafael - 18 de novembro de 2013

    Via FACEBOOK
    Ligia Maria Ramalho
    Gostei

  2. Maria Helena Mendonça Quinhones - 17 de novembro de 2013

    Ninguém substitui ninguém e ninguém é insubstituível.
    A vida sempre nos prega peças,pedaços da gente quando é tirado ,buscamos forças e renascemos das tristezas,incertezas e conseguimos seguir em frente,a lidar com as situações que vezes parece o mar, o mar com ondas ora calmas e ora revoltas.
    Abraço de coração:Maria Helena

    • Rafael - 17 de novembro de 2013

      Bjão Maria Helena!

  3. Rafael - 15 de novembro de 2013

    Via FACEBOOK
    Luiz Carlos Carvalho de Melo
    Muito bom! O site também é muito especial!

    • Rafael - 15 de novembro de 2013

      Valeu Luiz!

  4. Rafael - 15 de novembro de 2013

    Via FACEBOOK
    Elis Cristina Castro Pfingstag
    Excelente texto Rafael Lovato!!! Realmente, concordo que em nome da sobrevivência nos organizamos e adaptamo-nos a tudo!!!Abraço e bom final de semana.

    • Rafael - 15 de novembro de 2013

      Bjão minha querida Elis!

  5. Rafael - 15 de novembro de 2013

    Via FACEBOOK
    Bagual Klein
    Excelente texto, que serve de reflexão para este início de feriado… o joelho pode ter apresentado problemas, mas a cabeça está ótima ! Grande abraço, Rafael Lovato !

    • Rafael - 15 de novembro de 2013

      Abração meu amigo Bagual!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *