<strong>O peregrino Joshua</strong>

O peregrino Joshua

Joshua é uma coluna com publicação semanal às quintas-feiras no Jornal Diário Regional e aos sábados no Jornal Folha do Mate.

Nela Rafael Lovato trata de temas cotidianos vivenciados por um velho peregrino, no início do século passado.

A série "O peregrino Joshua" está sendo publicada pela Editora Zap Book, e contará com ao menos 7 volumes, e que podem ser comprados no site www.zapbook.com.br

4 julho 2014

Uma funda, um pássaro e o viver

 

O peregrino Joshua ainda permanecia no vilarejo de Serra Miúda, e naquela tarde nublada de inverno caminhava pela pracinha central. Pensou que as nuvens indicavam a chegada de uma frente fria, preludiando que os próximos dias seriam bastante frios, e sentou em um dos bancos para descansar um pouco suas velhas e cansadas pernas.

Ajeitou a bengala entre os joelhos enquanto refletia sobre a vida e os homens, e sem demora uma senhora sentou perto de si. Passados minutos, Joshua percebeu uma mulher caminhando na praça, e no momento seguinte um menino de onze ou doze anos correu ao seu encontro, gritando:

– Mãe, mãe! – E Joshua viu que o menino trazia algo nas mãos.

– O que houve, meu filho? – A mulher respondeu amavelmente.

– Mãe… O passarinho morreu – o menino soluçava e mostrou para a mulher o pássaro que trazia nas mãos. – Mas, eu não queria… E-eu…

Certamente o menino buscava acalento, mas Joshua viu a mãe mudar de postura.

– E o que aconteceu?

– E-eu tava brincando com minha funda aí eu vi o passarinho e… Mas, mãe, eu não queria acertar! E nunca pensei que ele fosse morrer. Acertei de raspão só nas penas do rabo dele – e o menino começou a chorar, claramente arrependido de seu ato.

A mãe se manteve firme:

– Com toda a sua inteligência você vem me dizer uma coisa dessas? Você devia ter pensado melhor no que fazia. Agora, não adianta chorar.

– Mas, mãe… E-eu… O passarinho…

– Pois é. Tem coisas que a gente faz e que não tem como desfazer. É preciso pensar nas consequências antes de agir.

– Mas, e o que eu faço a-agora? – O menino continuava soluçando.

– Agora, enterre o passarinho. E, se não mais quiser se sentir dessa maneira, nunca repita o que você fez. Vem, ajudo você – e ela estendeu a mão para o menino.

Após dizer tal frase, a mãe e o menino se retiraram, e imediatamente a senhora sentada perto de Joshua comentou:

– Mas, que horror! Como uma mãe trata uma criança desta maneira? Tadinho! Um absurdo, o senhor não acha?

Joshua olhou para a senhora.

– Na verdade, não.

A senhora coçou a cabeça.

– Não? Como, não?

– Minha amiga, a mãe está correta em apontar ao filho que, nesta vida, precisamos avaliar muito bem nossa conduta antes de agirmos. Justamente porque há muitas questões que, uma vez perpetradas, não podem ser redimidas.

A senhora gesticulava.

– Mas, ele é só uma criança, não é adulto para entender as coisas assim!

Joshua se ajeitou no banco.

– Não sabemos a história deste menino, nem qual o grau de seu entendimento sobre o mundo. Certamente, ninguém melhor para lhe repreender e ensinar do que sua mãe, que lhe conhece.

– Mas, ele estava arrependido. Não seria melhor a mãe o confortar?

– Perante equívocos, acalentar e passar a mão sobre a cabeça nem sempre são as melhores atitudes quando erigimos o caráter de uma pessoa. E, principalmente, para de fato ensinarmos algo importante a alguém, em particular a um filho, imprescindível que o conheçamos profundamente para agirmos de acordo.

– Entendi o que o senhor quer dizer.

– Minha amiga, muitas vezes o viver é doloroso, e o mundo pode ser cruel se não soubermos o que nos espera – e Joshua olhou nos olhos da senhora. – E é por isso que minha verdade lhe digo: ser mãe, ser guia, ser protetora, não é somente confortar, mas preparar o filho para o mundo, ensinando-lhe que o seu viver, tranquilo ou não, dependerá de suas próprias atitudes.

 

*Dedico esta coluna a minha mãe. Nunca esqueci aquele joão-de-barro, e nem a dor em enterrá-lo.

"12" comentários em: Uma funda, um pássaro e o viver

  1. Rafael - 7 de julho de 2014

    Via FACEBOOK
    Valéria Bolze
    Como sempre…Ótimo texto.

  2. Rafael - 7 de julho de 2014

    Via FACEBOOK
    Mônica Guimarães Kawakami
    Beijo para você, meu amigo Rafael Lovato; e por favor, continue nos inspirando aqui do outro lado do mundo!

    • Rafael - 7 de julho de 2014

      Beijão Mônica!

  3. Rafael - 7 de julho de 2014

    Via FACEBOOK
    Ariete Presseler
    Belo ensinamento! Gostei da homenagem para a mamãe Rosa! Beijos…

    • Rafael - 7 de julho de 2014

      Beijo Ariete!

  4. Rafael - 4 de julho de 2014

    Via FACEBOOK
    Delci Mantelli
    Sempre bom ter uma boa leitura as sextas feiras…abraços Rafael!!!!!!!

    • Rafael - 4 de julho de 2014

      🙂 Beijão Delci

  5. Rafael - 4 de julho de 2014

    Via FACEBOOK
    Heloiza Averbuck
    Muito lindo!

    • Rafael - 4 de julho de 2014

      Beijos minha querida Heloiza!

  6. Rafael - 4 de julho de 2014

    Via FACEBOOK
    Irene Oliveira
    🙂 amei

    • Rafael - 4 de julho de 2014

      Beijos minha querida Irene!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *